sábado, 13 de janeiro de 2018

Uma possível terapia neuroprotectora e neuro-restauradora para Parkinson

12 ENE 2018 - A doença de Parkinson é a segunda doença neurodegenerativa mais comum hoje. As terapias disponíveis são principalmente substitutos e apresentam problemas a longo prazo, pelo que o desafio é fazer um diagnóstico precoce e desenvolver uma terapia neuroprotetiva e neuro-restauradora que permita diminuir a velocidade ou mesmo reverter os sintomas da doença.

Trabalhos realizados pelo grupo LaNCE do Departamento de Neurociências da UPV / EHU e em que o grupo de nanocirurgia de Biocruces e o serviço de neurocirurgia do Hospital Universitário de Cruces documentaram o efeito regenerativo e neuroprotetor de dois fatores neurotróficos quando aplicados em combinação.

Parkinson é uma desordem motora, causada pela perda de neurônios dopaminérgicos na substância negra do cérebro. Esses neurônios são as células nervosas que produzem dopamina, um neurotransmissor que desempenha um papel central na modulação de movimentos involuntários.

A pesquisa foi desenvolvida em um modelo experimental que permite reproduzir diferentes estágios da doença de Parkinson. Os resultados mostraram que as mudanças causadas pela doença não eram homogêneas nas diferentes regiões do cérebro afetadas. "A afectação corresponde à distribuição anatômica específica dos neurônios dopaminérgicos e seus terminais", diz a pesquisadora Catalina Requejo. Ou seja, as áreas da substância negra em que os neurônios dopaminérgicos têm mais conexões com regiões que permanecem intactas foram menos afetadas.

Depois de confirmar que o modelo experimental serviu para explorar as alterações morfológicas e funcionais causadas pela doença, foram aplicadas estratégias terapêuticas baseadas na liberação de fatores neurotróficos. Esses fatores são proteínas que favorecem o crescimento, a plasticidade e a sobrevivência celular e, portanto, desempenham um papel fundamental na regulação da função neuronal.

Especificamente, foram aplicados dois fatores: fator de crescimento endotelial vascular (VEGF) e fator derivado das células gliais (GDNF). Essas moléculas foram administradas embutidas em microesferas ou em nanoesferas, ainda menores do que as anteriores, de um polímero biocompatível e biodegradável, como o ácido poliláctico-co-glicólico (PLAG), que permite sua liberação contínua e gradual. Além disso, eles administraram os fatores em combinação para determinar se juntos induziram um efeito sinérgico.

Nas fases inicial e severa do modelo, os resultados foram encorajadores. A combinação de VEGF e GDNF não só reduziu significativamente a degeneração nos neurônios dopaminérgicos da substância negra, mas também induziu a formação de novas células e diferenciação celular. Além disso, eles poderiam verificar se houve uma melhoria nas áreas onde projetaram as fibras nervosas desta região. Para confirmar o efeito sinérgico e neuroregenerativo de ambos os fatores, eles administraram uma molécula que inibe os receptores dos dois fatores neurotróficos que estavam estudando. "As conseqüências no sistema dopaminérgico foram ainda pior, o que suporta os efeitos benéficos e sinérgicos do VEGF e GDNF na doença de Parkinson", conclui o pesquisador.

Finalmente, deve-se notar que os melhores resultados foram obtidos quando os fatores incorporados nas nanoesferas foram administrados durante a fase inicial da doença replicada no modelo. Tudo isso reforça a importância do diagnóstico precoce e que "a nanotecnologia pode ser uma ferramenta muito útil na administração de fatores neurotróficos", acrescenta.

Referencia:
Lafuente JV, Requejo C, Carrasco A, Bengoetxea H. (2017) Nanoformulation: A Useful Therapeutic Strategy for Improving Neuroprotection and the Neurorestorative Potential in Experimental Models of Parkinson’s Disease. Int Rev Neurobiol doi: 10.1016/bs.irn.2017.09.003

Edición realizada por César Tomé López a partir de materiales suministrados por UPV/EHU Komunikazioa. Original em espanhol, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: Cultura Científica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário