segunda-feira, 17 de julho de 2017

Paulo José fala sobre o mal de Parkinson: ‘As pessoas mudaram comigo’

16/07/2017 - Com mal de Parkinson há 20 anos, Paulo José fez um verdadeiro desabafo em entrevista à revista 'Época': 'As pessoas mudaram comigo. Ficaram com pena. Isso nunca me incomodou. Sou um sobrevivente. Tenho de ser grato por isso. E sou'

Apesar das limitações causadas pela doença degenerativa, Paulo José nunca parou de trabalhar.

'Nos últimos 20 anos, dirigi dez peças, participei de 19 filmes e 18 programas de TV, entre séries e novelas. Dirigi mais de 200 comerciais. Em todos esses trabalhos, o Parkinson estava lá. Ele tem sido meu companheiro de palco, de estúdio, de vida'‘Nos últimos 20 anos, dirigi dez peças, participei de 19 filmes e 18 programas de TV, entre séries e novelas. Dirigi mais de 200 comerciais. Em todos esses…

Paulo José anunciou: 'No ano que vem, estarei na próxima novela de Manoel Carlos. Vai me ocupar de fevereiro a setembro. Ainda neste ano tenho alguns projetos para finalizar'Paulo José anunciou: ‘No ano que vem, estarei na próxima novela de Manoel Carlos. Vai me ocupar de fevereiro a setembro. Ainda neste ano tenho alguns…

O ator Paulo José descobriu em 1993, há exatos 20 anos, que sofria do mal de Parkinson, doença degenerativa e incurável que se caracteriza por movimentos involuntários dos braços, pernas e cabeça, além de tremores. “O mal de Parkinson não aparece visualmente nos exames. É um diagnóstico por eliminação. Recebi uma receita para tomar dois medicamentos. Perguntei: ‘Até quando?’. O médico fez uma pausa e disse: ‘Para toda a vida!'”, contou em entrevista à revista “Época”.

Para o ator, a descoberta da doença foi a parte mais fácil, se comparado com os sintomas. “Sabia que ninguém morre de Parkinson, se morre com Parkinson. E ainda não tinha noção da gravidade. Com o tempo, os sintomas tornaram-se mais fortes”.

E contou que ao tomarem conhecimento de sua nova condição, todos a sua volta mudaram o seu comportamento: “As pessoas mudaram comigo. Queriam me proteger. Ficaram com pena. Isso nunca me incomodou. Sou um sobrevivente. Tenho muita sorte por ter gente que gosta de mim. Tenho de ser grato por isso. E sou”.

Casado com a figurinista e cineasta Kika Lopes, Paulo contou que o apoio da família e do amigo, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, foram fundamentais. “Boni me chamou em sua sala e disse: ‘O melhor lugar para tratar seu caso é o Instituto Presbiteriano, em Nova York. É para lá que você vai. A Globo arrumará tudo’. O Boni mandou, eu obedeci”.

Paulo José lembrou ainda de uma situação constrangedora que viveu por causa da doença. “Há dez anos, fui convidado para participar do programa de entrevistas Roda viva. Ficaria exposto em cadeia nacional. Fiquei nervoso. Então, fiz um coquetel de remédios. O tiro saiu pela culatra. Fiquei com os movimentos mais acentuados. Perdi o controle da mão direita. O cartunista Chico Caruso desenhava o entrevistado. Ele me fez com seis mãos, parecia um polvo com cabeça de homem, de tanto que mexia os braços. Consegui dar a entrevista. Mas fiquei muito chateado”.

O ator, que já foi operado até pelo renomado cirurgião Paulo Niemeyer Filho, descreve sua vida como uma montanha russa de sentimentos. “Tive depressão muitas vezes. Houve um tempo em que tinha medo de dormir e não acordar. Às vezes, tenho medo de morrer. Não estou num daqueles momentos terríveis. Mas tampouco este é um período fácil. Quando acordo, tenho de fazer uma escolha. Decido sair da cama. Hoje será um dia melhor. Ao me deitar, não penso se o dia foi mesmo melhor. Só penso: ‘Amanhã será um outro dia’. Assim, sigo trabalhando e vivendo dia por dia”.

Mas engana-se quem pensa que a descoberta do mal de Parkinson tirou Paulo José de cena. “Nunca parei de trabalhar. Nos últimos 20 anos, dirigi dez peças, participei de 19 filmes e 18 programas de TV, entre séries e novelas. Dirigi mais de 200 comerciais. Em todos esses trabalhos, o Parkinson estava lá. Ele tem sido meu companheiro de palco, de estúdio, de vida”. E encerra contabilizando mais atividades: “No ano que vem, estarei na próxima novela de Manoel Carlos. Vai me ocupar de fevereiro a setembro. Ainda neste ano tenho alguns projetos para finalizar”. 02 dezembro 2013 – 12h06
Fonte: Globo G1.

Um comentário:

  1. Pois é, Paulo José. Também tenho Parkinson. Mas também não me entreguei. Recebo o auxílio-doença, que me ajuda a manter a casa. Faço tarefas domésticas, dirijo, nado, corro, faço futevôlei e futebol soçaite. Sou apelidado por Toninho O Matador, por fazer muitos gols (e bonitos). Tomo o medicamento corretamente e jamais dou vazão ao pensamento de depressão. Não podemos nos entregar. Ah! Nas horas vagas sou, além de jogador, poeta. Fiz um poema em 2012 que teve uma boa repercussão. Eu termino o poema assim: "Sou um homem de fé / Nunca vou desistir / Mas com uma fração de DP / Entenderiam como é aqui". Um abraço e felicidades é o que desejo a V. Sa. amigo parkinsoniano "global".

    ResponderExcluir