quarta-feira, 12 de julho de 2017

Os cientistas descobriram como fazer as pessoas alucinarem, e como medir o que vêem

July 13, 2017 - Como podemos medir a mente? Quando você pergunta a alguém sobre o que eles estão pensando, o que eles lhe dizem não é necessariamente a verdade. Isso não significa que eles estão mentindo. Isso significa que muitas influências ambientais, sociais e pessoais podem mudar o que alguém nos diz.

Se eu colocar um colete de laboratório branco, um terno ou uma camiseta e lhe fazer um monte de perguntas, o que eu uso mudará o que você diz. Isso foi demonstrado nos famosos experimentos de Milgrim na década de 1960, que mostraram o poder da autoridade percebida para controlar os comportamentos dos outros. As pessoas querem ser curtidas ou dar uma certa impressão. Isso é comumente referido como gerenciamento de impressões e é um dos obstáculos mais difíceis a superar na pesquisa científica.

Os neurocientistas fizeram avanços notáveis ​​na medição da anatomia do cérebro e suas regiões em diferentes escalas. Mas fizeram poucos grandes avanços na medição da mente, que é o que as pessoas pensam, sentem e experimentam. A mente é notoriamente difícil de medir; Mas precisa ser feito, pois ajudará o desenvolvimento de novos tratamentos para transtornos mentais e neurológicos.

As imagens mentais fora de controle e as alucinações são bons exemplos de sintomas de saúde mental que são difíceis de medir com precisão em ciência e medicina. Nosso estudo publicado nesta semana mostra um novo método para induzir e medir alucinações visuais em qualquer pessoa a qualquer momento.

Essas descobertas abrem a porta para uma nova avenida de pesquisa. Agora podemos estudar alucinações visuais no laboratório usando alguém como sujeito.

O que são alucinações?

As alucinações são comumente associadas a distúrbios como esquizofrenia e doença de Parkinson. Mas pessoas saudáveis ​​também podem ter alucinações visuais depois de tomar drogas, privar o sono ou sofrer enxaquecas, apenas para citar algumas condições.

Vídeo de Joel Pearson.
Geralmente, as alucinações são definidas como uma experiência de percepção involuntária na ausência de um estímulo direto direto. Para colocá-lo mais simplesmente, vendo ou ouvindo algo que não existe. As alucinações podem variar de formas geométricas simples, como bolhas, linhas e hexágonos, para ver animais, pessoas ou insetos.

Essas experiências involuntárias são pensadas para surgir quando mudanças espontâneas no cérebro temporariamente seqüestram visão e atenção, mas as causas exatas e os mecanismos subjacentes não são totalmente compreendidos. A melhor maneira de entender essas coisas é induzir uma alucinação e observá-la em um laboratório.

Sabemos há mais de 200 anos que a luz cintilante em frequências particulares pode fazer com que quase todos experimentem alucinações. Mas a imprevisibilidade, a complexidade e a natureza pessoal destes os tornam difíceis de medir cientificamente sem ter que confiar em descrições verbais. A mudança de conteúdo, incluindo cores e mudanças de formas, aumenta a dificuldade.

O avanço simples em nossa pesquisa foi reduzir as alucinações das luzes cintilantes para uma dimensão solitária: gotas cinzentas. Para fazer isso, ao invés de acender e desligar as luzes aleatórias ou um computador completo ou tela de TV, pisamos uma forma de anel de rosca em vez disso.

Para nossa surpresa, quando fizemos isso, já não vimos muitas formas e cores diferentes, mas apenas bolhas cinzas. Ao estabilizar de forma confiável a alucinação dessa maneira, poderíamos começar a investigar objetivamente seus mecanismos subjacentes.

Induzindo alucinações

Os voluntários participantes do nosso estudo eram estudantes universitários sem história de enxaqueca ou distúrbios psiquiátricos. Eles assistiram a imagem de um simples anel branco aceso e desligado cerca de dez vezes por segundo contra um fundo preto. Todos relataram que apareceram manchas cinzas pálidas no anel e rodam ao redor, primeiro em uma direção e depois a outra.

Para medir as alucinações, colocamos um segundo anel marcado com bolhas perceptuais permanentes (não alucinadas) dentro do anel branco e depois virava novamente este anel. Isso permitiu que as pessoas observassem simultaneamente as bolhas alucinadas e perceptivas e fizessem uma comparação simples.

Mostramos uma série de manchas de diferentes forças perceptivas. Os participantes então declararam se as gotas alucinadas eram mais claras ou mais escuras do que as bolhas reais. Suas respostas nos ajudaram a calcular o ponto equivalente em força ou contraste entre percepção e alucinações.

O que mais fizemos
Utilizamos técnicas de ciência comportamental para demonstrar que as alucinações surgiram no córtex visual. Fizemos isso mostrando voluntários dois anéis cintilantes - um para cada olho, exibido fora da sincronia. Então, quando um anel foi apresentado, o outro foi removido, então alternaram entre os dois olhos.

Estas luzes estavam piscando cerca de 2,5 vezes por segundo - uma taxa relativamente lenta, que normalmente não induz forte alucinações. Mas os voluntários experimentavam alucinações consistentes com as luzes piscando cerca de cinco vezes por segundo. Os sinais dos dois olhos estavam sendo combinados no cérebro para criar uma alucinação mais forte e rápida.

Esta combinação dos sinais dos dois olhos realmente só acontece no córtex visual, não nos olhos ou em outras áreas de processamento precoce do cérebro que recebem entrada visual antes de chegar ao córtex. Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: The Independent, com links.

Nenhum comentário:

Postar um comentário